Porque saí do GitHub Pages

Seg 10 setembro 2018

Primeiramente o motivo pelo qual migrei meu site/blog pessoal do GitHub Pages para um Servidor Virtual Privado (VPS) não foi a recente compra do GitHub pela Microsoft. Esse fato pode ter me tirado de uma momentânea inércia, mas não foi determinante. A minha decisão foi baseada em alguns princípios fundamentais que podem ou não estar relacionados com isso. São eles: liberdade, autonomia, transparência, responsabilidade enquanto profissional de tecnologia e diversão. Essas mesmas ideias me fizeram há um tempo abandonar outros serviços como o Medium para publicações e o Google para gerenciamento de calendário e contatos. Em posts futuros pretendo falar mais especificamente sobre esses serviços, mas nesse momento gostaria de compartilhar um pouco mais sobre a minha saída do GitHub Pages para hospedagem do meu site/blog pessoal.

Geradores de sites estáticos e o GitHub Pages

Uma das coisas que precisam ser relembradas é que o serviço GitHub Pages não é um gerador de sites estáticos. Há divesas opções de geradores desse tipo disponíveis e o utilizado pelo Github em seu serviço é o Jekyll. O serviço provido pelo GitHub é o de hospedagem gratuita de arquivos. O que o torna diferente é a sua integração com repositórios git hospedados no GitHub. Assim sendo, de modo resumido basta versionarmos os arquivos de um site em um repositório git no GitHub que o mesmo será disponibilizado na Internet como um site estático.

O serviço é realmente bom, simples e fácil de usar. É uma ótima escolha em diversas situações assim como foi para mim há 4 anos quando passei a utilizá-lo. Porém ser uma boa escolha em determinado momento não significa ser uma boa escolha para sempre. Além do mais é comum acontecer de um serviço se tornar tão amplamente utilizado que ele passa ser sinônimo de algo que não é. Isso é bastante evidente atualmente quando observaoms pessoas associarem Google e Facebook como sendo a Internet. Dentre tantos problemas que isso pode provocar, um dos mais simples é que aos poucos vamos perdendo a capacidade de perceber as alternativas para aquele serviço ou produto.

O que é bom hoje pode não ser amanhã

Quando escolhemos utilizar um produto ou serviço, ainda que seja difícil, precisamos ter claro as nossas reais motivações. Em 2014 quando passei a utilizar o GitHub Pages eu pagava por um servidor compartilhado tradicional. Nele eu rodava uma instalação do famoso Wordpress para um blog pessoal. Naquele momento eu estava achando a solução muito complexa e burocráica (PHP, banco de dados, servidor web, cPanel, backups) além de relativamente lenta de modo geral para o meu propósito. Era lento e pesado abrir o editor web para escrever conteúdo, era lento para que eu pudesse colocar uma alteração no template em produção, era lento para renderizar para o usuário do blog.

Na busca por alternativas acabei encontrando essa até então desconhecida maneira para mim de se fazer e publicar sites: geradores de sites estáticos. Na época eu já programava em Python e chegar até o Pelican foi uma consequência eminente.

Além das desvantagens já falada sobre a solução com o Wordpress em um servidor compartilhado, eu também estava buscando redução de custos naquela época. Desde muito tempo eu mantenho blogs escrevendo e programando-os. Personalizar templates e subir as alterações via FTP em algum servidor era o que eu passava madrugadas fazendo há mais de uma década. Assim, pagar por hospedagens era até então o normal na minha concepção. A descoberta de um serviço gratuito como o GitHub Pages acabou juntando o útil ao agradável. Dessa forma a união Pelican + GitHub Pages acabou sendo a solução perfeita para as minhas necessidades.

Muito tempo se passou desde então e hoje eu acredito que um próximo passo precisa ser dado uma vez que os motivos do passado não fazem tanto sentido atualmente. Eu continuo preferindo o fluxo de trabalho de escrita, edição, personalização e deploy oferecido por geradores de sites estáticos, mas a realidade atual não me restringe tanto quanto a gastos com um servidor próprio, meu conhecimento técnico me permite manter razoavelmente bem esse servidor e, mais importante do que tudo, minha consciência atual me faz valorizar aspectos diferentes na escolha de uma solução tecnológica.

Liberdade e autonomia

Talvez estejamos passando por um momento muito importante para prezar por autonomia e liberdade no consumo e produção tecnológica. Se o movimento do software livre seguido pelo de código aberto algum dia foi questionado e criticado, trazendo dúvidas sobre como deveríamos abordar o desenvolvimento de software, hoje é praticamente consenso as vantagens do FOSS. Entretanto estamos em uma época de open source, closed services.

Os maiores agentes do mercado de tecnologia atualmente mantêm altos investimentos em projetos de código aberto. Alguns possuem até o núcleo do negócio baseados em open source. Porém através de software de código aberto oferecem um serviço "fechado". Geralmente esses serviços possuem extensos termos de aceitação naturalmente negligenciados pela imensa maioria dos usuários.

A verdade atual é que diversos tipos de software se tornaram uma espécie de commodity. A indústria de software, em especial aquela fração que movimenta a Internet, há muito acabou percebendo que o valor efetivo de suas soluções (o pote de ouro) está tanto no software como nos dados que são armazenados e processados por esse software. Para proteger a riqueza, é natural que algumas barreiras fossem construídas.

Os chamados walled gardens são sistemas de informações cujos provedores possuem total controle sobre as regras que regem as aplicações, dados (utilização, armazenamento e compartilhamento), quem pode interagir com o sistema e como essa interação será realizada. É perfeitamente possível utilizar software livre e de código aberto para criação de sistemas com essas características.

O GitHub Pages em um primeiro momento não é dos sistemas fechados mais problemáticos. Entretanto se olharmos com um pouco mais de cuidado para as regras desse jardim murado percebemos algumas coisas no mínimo preocupantes:

  • Quem define o que pode ou não pode ser publicado é o GitHub. Ainda que a publicação de um site na Internet seja um ato de expressão pública, ao utilizar o Pages o usuário escolhe deliberadamente subjulgar-se sobre as regras de uma instituição privada. Por mais que o conteúdo que seu site esteja divulgando seja legítmo e respaldado pela legislação vigente, caso a empresa controladora do GitHub julgue inapropriado ela poderá retirar o conteúdo do ar sem problema algum. É interessante notar que no tocante as regras do que é permitido ou não de ser publicado em plataformas fechadas geralmente há cláusulas bastante confusas ou subjetivas como "content that misrepresents your identity or site purpose" ou "violent or threatening content or activity". Importante: esses mesmos termos regem a utilização do GitHub.

  • Um serviço obrigatoriamente atrelado a utilização de outro da mesma empresa. Se algum dia o usuário do Pages se descontentar com o GitHub por qualquer motivo e não quiser mais hospedar seu repositório Git do próprio site no serviço, irá precisar dar adeus as supostas comodidades do GitHub Pages. Isso além de claramente tirar a autonomia de quem quer hospedar um site, também é repsonsável por prender cada vez mais o usuário à empresa. É o que acontece com muitas pessoas que começaram utilizando o GMail e hoje possuem toda a vida pessoal e profissional presa nos serviços da G Suite.

  • Limitações do serviço se tornam limitações do usuário. Ainda que o GitHub Pages tivesse suporte a HTTPS desde 2009, somente no começo de 2018 foi que o serviço passou a suportar HTTPS em domínios personalizados (diferentes de .github.io). Antes disso, caso um usuário desejasse essa funcionalidade ele não teria nada para fazer, apenas aceitar. Quem se submete as regras dos walled gardens também se submete a priorização das empresas mantenedoras dos serviços.

Esses são apenas alguns dos fatores mais evidentemente problemáticos que não são exclusivos do GitHub Pages, mas da maioria das plataformas fechadas controladas por empresas privadas. Pessoalmente não acho que por si só essa forma de ofertar soluções seja boa ou ruim. Assim como as empresas podem oferecer o que quiserem da forma que desejarem, usuários devem ter o poder de escolha. Porém, dado o contexto de "alfabetização tecnológica" o que inicialmente parece somente uma manifestação da liberdade de alguns (empresas) pode se tornar inadvertidamente o prejuízo de outos (usuários).

Transparência

Há muito tempo eu ouvi a expressão de que "cloud computing é só o computador de outra pessoa". Quando esse computador é de uma empresa as coisas podem se tornar bastante problemáticas. Isso porque ainda que existam malabarismos argumentativos a função primária de uma empresa privada é a obtenção de lucro. Como dito anteriormente, vivemos em uma época em que os dados possuem muitas vezes mais valor do que o software. Logo colocar seus dados no computador de uma empresa privada é literalmente colocar moedas no já abarrotado cofrinho de outro. Além disso aqueles que trabalham com tecnologia sabem bem que quando dizemos "dados" estamos nos referindo a muito mais informações do que somente aquelas diretamente escritas em um site estático, por exemplo. De padrões comportamentais de utilização até preferências pessoais valiosíssimas para o mercado, a capacidade e possibilidade de obtenção de dados vai muito além de textos puros.

Especificamente no caso do GitHub, ao subjulgar-se sobre as regras de utilização um usuário garante alguns direitos para a empresa no tocante aos dados produzidos pelo usuário. Segue um trecho dos termos de serviço atuais (2018): ...This includes the right to do things like copy it to our database and make backups; show it to you and other users; parse it into a search index or otherwise analyze it on our servers; share it with other users; and perform it, in case Your Content is something like music or video.

Vale destacar a passagem analyze it on our servers. Nós usuários não sabemos como essas análises ou utilizações são feitas. Mais do que isso nós não possuímos remota ideia do que "análise" pode significar no futuro para os futuros controladores da empresa. Não ter procedimentos prejudiciais ou injustos para com os usuários hoje não é garantia de não terão para sempre.

Pode parecer demasiadamente injusto esse tipo de relação, e realmente é. Não acredito que esse contexto se dê unicamente pela intenção de empresas ou qualquer outro agente maléfico, mas sim pela assimetria das relações. As propostas de uma grande empresa (com poucos ou nenhum concorrente) materializadas em extensos termos de uso possuem muito mais relevância do que a aceitação ou rejeição de um usuário. Junta-se a isso uma sociedade naturalmente alheia as especificidades técnicas e uma comunidade técnica alienada sobre questões de privacidade, transparência e liberdade dos usuários e tem-se um contexto propício para relações injustas e assimétricas.

Responsabilidade enquanto profissional de tecnologia

Todas as abordagens expostas até aqui são passíveis de serem absorvidas e interpretadas plenamente por cada pessoa. Usar ou não usar determinado serviço, software ou tecnologia é, na maioria dos casos, exclusivamente opção individual. Porém, no meu entendimento, profissionais inseridos no contexto de tecnologia (em especial desenvolvedores de software) possuem um peso maior em suas decisões justamente pela responsabilidade profissional. Essas pessoas além de decidirem por si mesmas, acabam levando a influência de suas decisões e opiniões para o resto da sociedade que tem nesses profissionais maior garantia de opiniões baseadas em conhecimentos racionais.

Há um motivo por encararmos com espanto um médico fuma, por exemplo. Essa é uma atitude no mínimo inesperada segundo o entendimento comum. Pensamos que em função do conhecimento altamente especializado daquele profissional quanto aos melefícios do cigarro para uma pessoa, não haveria a menor condição do mesmo tomar a decisão deliberada de partir por esse caminho. Pensando por esse lado eu fico me perguntando quando que iremos, ao menos como comunidade de profissionais de tecnologia, nos espantarmos quando nos depararmos com colegas de profissão que negligenciam questões da própria privacidade digital, da sua própria autonomia na utilização de serviços e ferramentas ou na transparência exigida de seus provedores de soluções.

Recentemente em conversa com conhecidos de profissão estávamos comentando sobre a postura que uma pessoa que trabalha com desenvolvimento de software deveria ter quando confrontado com hábitos, práticas, procedimentos ou mesmo costumes que proporcionam má qualidade no produto sendo construído. Tanto para os clientes quanto para os próprios profissionais que o desenvolvem. Alguns falaram que existem empresas que não possibilitam qualquer mudança, outros se mostraram evidentemente desanimados em tentar algo diferente. A minha posição foi mais enfática: um profissional do desenvolvimento de software abdicar-se de exigir as melhores condições de trabalho, as melhores práticas de qualidade por todos os envolvidos ou mesmo lavar as mãos para desvios que ocorrem, age intencionalmente de forma antiética. Isso é inadmissível. Para mim, não existe a "ética no trabalho" e a ética fora dele. Ter ou não responsabilidade quanto as escolhas tecnológicas pessoais é ser ou não ético enquanto profissional de tecnologia.

Diversão

Apesar da relevância dos pontos anteriores, não poderia deixar de lado outro fator que me fez querer manter e administrar o meu próprio servidor novamente: é divertido demais. Eu passei o último feriado prolongado de 7 de setembro focado em colocar as coisas em produção: criar um novo tema para o Pelican que fosse JavaScript Free, procurar uma nova distribuição Linux para o VPS, fazer backup das coisas antigas que estavam rodando em um VPS que já tinha, configurar o servidor HTTP em uma nova distribuição, migrar os domínios, habilitar o HTTPS, configurar subdomínios específicos para arquivos estátivos, subir outros serviços além do site/blog pessoal entre outras coisas.

O dia a dia de profissional do desenvolvimento há quase 10 anos proporciona desafios interessantíssimos, coisas de outro nível que exigem competências e habilidades diferentes. Na rotina profissional (pelo menos a minha) sou constantemente colocado em situações onde tenho que lidar com o desconhecido. Mas a carga de responsabilidade envolvida, as pressões corporativas e as formalidades inerentes acabam tirando boa parte do prazer em se trabalhar. Hora ou outra talvez precisemos encarar problemas sem toda a carga profissional. Foram situações como essas nesse feriado que me remeteram a dezenas de anos atrás quando eu programava justamente porque era divertido. Perder a hora de ir dormir e acabar sonhando com uma solução que você não tinha pensado ou em um novo serviço que poderia hospedar por mim mesmo. Tudo isso é muito mais divertido do que um simples "push" no GitHub.

O primeiro título desse post era "Porque eu saí do GitHub e você também deveria". Porém uma das coisas que a gente deveria aprender é que exigir dos outros atitudes iguais a sua é no mínimo infantil. Esperar dos outros conclusões e pensamentos como os próprios é injusto quando isso parte de uma vontade honesta e doentio quando isso parte de qualquer outra motivação Assim sendo, a única pretensão desse texto é justamente ser uma autoanálise pública onde "mastigo" meus próprios pensamentos.

Se chegou até aqui, muito obrigado pela leitura. Abraço!


Encontrou algum erro, gostaria de compartilhar algum comentário comigo ou fazer qualquer sugestão? Entre em contato através de alguma das formas listadas na página de contato.